sábado, 28 de julho de 2012

Lendas do nosso Folclore.






Olá, amigos!!!!!!!!!!!!!!!!

Vamos falar agora um pouco sobre o Folclore Brasileiro e seus personagens muitos especiais.


Dia 22 de Agosto é o dia do Folclore e é muito importante sabermos explicar para as crianças o significado de alguns personagens que já são conhecidos, alguns encantam e outros que dão até medo( rsrsrsrsrsrs )!!!!!!!!!!!!!


Esta pesquisa eu fiz em um  Blog super legal chamado Educriança ( http://educrianca.blogspot.com.br/2009/07/personagens-do-folclore-brasileiro.html ), que vale a pena conferir seu rico conteúdo.


Vamos lá:

Saci-Pererê

O saci possui apenas uma perna, usa um gorro vermelho e sempre está com um cachimbo na boca.
Inicialmente, o saci era retratado como um curumim endiabrado, com duas pernas, cor morena, além de possuir um rabo típico.
Sua principal característica são as travessuras, entre elas, amarrar o rabo dos cavalos.
Segundo a lenda, o Saci está nos redemoinhos de vento e pode ser capturado jogando uma peneira sobre os redemoinhos.
Após a captura, deve-se retirar o capuz da criatura para garantir sua obediência e prendê-lo em uma garrafa.
Conta a lenda que esses seres danados nascem nos brotos de bambu.



Mula sem cabeça.

A Mula sem Cabeça é uma das principais lendas do folclore brasileiro. A lenda diz que toda mulher que tivesse pensamentos ou relações amorosas com um padre se tornaria uma mula-sem-cabeça. Esse monstro possuía a forma de uma mula marrom ou preta, sem a cabeça, soltando fogo na região de onde seria esse membro. Além disso, a mula-sem-cabeça tinha cascos de aço ou prata e um relincho que poderia ser ouvido a muitos metros de distância.




Boitatá.

O Boitatá é o gênio que protege as campinas e sempre castiga os que põem fogo no mato.
Quase sempre ele aparece sob a forma de uma cobra muito grande, com dois olhos enormes, que parecem faróis. Às vezes, surge também com a aparência de um boi gigantesco, brilhante.



Boi Bumbá.

Conta-se a lenda que grávida, Mãe Catirina desejava comer a língua do boi mais bonito da fazenda onde vivia, o que leva seu marido, o peão Pai Francisco, a matar o animal de estimação de seu patrão. O homem é descoberto e preso. Para salvar o boi, o amo manda chamar um médico e um padre, que acabam conseguindo ressuscitar o animal. Pai Francisco é perdoado e todos iniciam uma grande festa.




Vitória- Régia.


A lenda da vitória-régia é muito popular no Brasil, principalmente na região Norte. Diz a lenda que a Lua era um deus que namorava as mais lindas jovens índias e sempre que se escondia, escolhia e levava algumas moças consigo. Em uma aldeia indígena, havia uma linda jovem, a guerreira Naiá, que sonhava com a Lua e mal podia esperar o dia em que o deus iria chamá-la.


Os índios mais experientes alertavam Naiá dizendo que quando a Lua levava uma moça, essa jovem deixava a forma humana e virava uma estrela no céu. No entanto a jovem não se importava, já que era apaixonada pela Lua. Essa paixão virou obsessão em um momento onde Naiá não mais queria comer nem beber nada, só admirar a Lua.

Numa noite em que o luar estava muito bonito, a moça chegou à beira de um lago, viu a lua refletida no meio das águas e acreditou que o deus havia descido do céu para se banhar ali. Assim, a moça se atirou no lago em direção à imagem da Lua. Quando percebeu que aquilo fora uma ilusão, tentou voltar, porém não conseguiu e morreu afogada.


Comovido pela situação, o deus Lua resolveu transformar a jovem em uma estrela diferente de todas as outras: uma estrela das águas – Vitória-régia. Por esse motivo, as flores perfumadas e brancas dessa planta só abrem no período da noite.


Curupira.

Protetor da floresta e dos animais, o Curupira é um menino muito esperto que tem os cabelos vermelhos e os pés voltados para trás, ele tem os pés dessa forma para enganar os caçadores e todos aqueles que querem destruir o seu lar.
Um dos truques do Curupira é jogar um encanto nos caçadores para que esses se percam na floresta.


Boto Rosa.

De acordo com a lenda, um boto cor-de-rosa sai dos rios nas noites de festa junina. Com um poder especial, consegue se transformar num lindo jovem vestido com roupa social branca. Ele usa um chapéu branco para encobrir o rosto e disfarçar o nariz grande. Com seu jeito galanteador e falante, o boto aproxima-se das jovens desacompanhadas, seduzindo-as. Logo após, consegue convencer as mulheres para um passeio no fundo do rio, local onde costuma engravidá-las. Na manhã seguinte volta a se transformar no boto.

Fonte:http://www.suapesquisa.com/folclorebrasileiro/lenda_boto.htm




A lenda da Iara.

Contam os índios da região amazônica que Iara era uma excelente índia guerreira. Os irmãos tinham ciúmes dela, pois o pai a elogiava muito. Certo dia, os irmãos resolveram matar Iara. Porém, ela ouviu o plano e resolveu matar os irmãos, como forma de defesa. Após ter feito isso, Iara fugiu para as matas. Porém, o pai a perseguiu e conseguiu capturá-la. Como punição, Iara foi jogada no rio Solimões (região amazônica). Os peixes que ali estavam a salvaram e, como era noite de lua cheia, ela foi transformada numa linda sereia.Fonte:http://www.suapesquisa.com/folclorebrasileiro/lenda_iara.htm



A lenda da Cuca.

A Cuca é uma importante e conhecida personagem do universo do folclore brasileiro. É representada por uma velha, com cabeça de jacaré, que possui uma voz assustadora. De acordo com a lenda, a Cuca assusta e pega as crianças que não obedecem seus pais.

Acredita-se que esta lenda tenha surgido na Espanha e Portugal, onde tem o nome de "Coca". Neste país, ela era representada por um dragão que havia sido morto por um santo. A figura aparecia principalmente nas procissões. A lenda teria chegado ao Brasil junto com os portugueses durante o período da colonização.

Ao chegar ao Brasil, a figura da Cuca passou a ser representada, em muitas regiões, como uma velha brava com cabelos compridos e desgranhados, semelhante a uma bruxa.
Fonte:
http://www.suapesquisa.com/folclorebrasileiro/lenda_cuca.htm



Negrinho do Pastoreio.

De acordo com a lenda, havia um menino negro escravo, de quatorze anos, que possuía a tarefa de cuidar do pasto e dos cavalos de um rico fazendeiro. Porém, num determinado dia, o menino voltou do trabalho e foi acusado pelo patrão de ter perdido um dos cavalos. O fazendeiro mandou açoitar o menino, que teve que voltar ao pasto para recuperar o cavalo. Após horas procurando, não conseguiu encontrar o tal cavalo. Ao retornar á fazenda foi novamente castigado pelo fazendeiro. Desta vez, o patrão, para aumentar o castigo. colocou o menino pelado dentro de um formigueiro. No dia seguinte, o patrão foi ver a situação do menino escravo e ficou surpreso. O garoto estava livre, sem nenhum ferimento e montado no cavalo baio que havia sumido. Conta a lenda que foi um milagre que salvou o menino, que foi transformado num anjo.Fonte:http://www.suapesquisa.com/folclorebrasileiro/negrinho_pastoreio.htm


5 comentários:

  1. Amei seu blog...tudo de melhor...e com dicas ótimas..
    Com certeza já sou sua seguidora e espero uma visita sua tbm...se gostar me segue...

    E se tiver interesse em fazer parceria é só dizer...

    Ahh...tá rolando um sorteio lá...te espero

    Um beijo e um sorriso

    http://elielmavasconcelospink.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Obrigada amei as postagens do folclore, bjosssss...õtima semana!

    ResponderExcluir
  3. Olá,boa noite!Sou blogueira unida,te achei no mosaico e vim te visitar!Adorei seu blog e já estou te seguindo!Convido-a a visitar-me e quem sabe seguir-me!Abraço! http://dycroche.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Muito bom emcontrei o que pro curava e celente otimo pra pesquisa

    ResponderExcluir

Sejam bem-vindos ao meu blog e eu fico muito feliz quando vocês fazem um comentário no meu blog. Fiquem todos á vontade.